Siga por Email

Marcadores

Encontre no blog. É só digitar

sábado, 11 de agosto de 2012

ESCREVENDO: Saudades de meu pai






















Já faz tanto tempo que ele se foi e eu ainda sinto muita saudade dele. Sim, ainda sinto muita saudade. Mas não sinto tristeza pela sua partida. Porque ele foi ao encontro do Senhor a quem ele amava e a quem, com bons exemplos, mais que com palavras, me ensinou a amar. Seu hino preferido tinha o seguinte estribilho “Breve verei o bom Jesus, e viverei em plena luz, no lindo céu eu gozarei, de toda dor, por Deus, livre serei”. 

Quem tinha essa expectativa como certeza e a cantava a plenos pulmões, não pode ser causa de tristeza em ninguém com a sua partida.

Então, meu pai, embora com saudade, experimento alegria por saber que o senhor já foi, por Deus, livre de toda dor e já viu o seu Senhor, o seu bom Jesus. E como afago no meu coração saudoso, canto o mesmo hino, com a mesma convicção de que o senhor cantava e revelava ter; com a certeza renovada todos os dias de que a minha saudade está com os dias contados e, daqui a pouco, estaremos juntos mais uma vez. Um beijo meu pai.

Breve Verei o Bom Jesus (Hino 442 - Harpa Cristã)

 

Breve no céu, Jesus há de aparecer
Em gloriosa luz; todos O hão de ver
Naquele dia, então, eu hei de receber
De Cristo galardão; oh! que prazer!
Breve verei o bom Jesus,
E viverei em plena luz;
No lindo céu eu gozarei...
De toda a dor, por Deus, livre serei.
Na vinda do Senhor irei eu receber,
Do Seu eterno amor, repouso e prazer,
- Disso, meu bom Jesus, tem-me falado já
E da celeste luz de Jeová!
Na vinda do Senhor desfrutarei prazer,
Quando meu Salvador em glória aparecer;
Eis que Ele breve vem, os santos levará
Para a mansão de além, donde virá!
  

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

EU LI: NEOPENTECOSTALISMO


NEOPENTECOSTALISMO: UMA FÁBRICA DE BEBÊS CHORÕES

Por Carlos Novaes
As igrejas hoje estão mais repletas de carentes do que de crentes.
Estou querendo dizer que, nesses dias de renascimento do cristianismo medieval e de recrudescimento das superstições evangélicas, há aqueles que se aproximam de Deus muito mais como crianças em busca de satisfação para seus caprichosos desejos infantis do que como pessoas de fé interessadas em amadurecer espiritualmente para melhor conhecer a vontade do Senhor e aplicá-la de maneira eficaz no viver diário.
Revelando uma colossal imaturidade, a multidão de carentes só se importa em testemunhar prodígios maravilhosos e milagres fantásticos, em conquistar prosperidade financeira ao estilo do capitalismo mais ganancioso e materialista, em obter curas imediatas tão somente para os males físicos enquanto os males do caráter permanecem intocáveis, em entorpecer-se com cânticos repetitivos de forte apelo emocional que mais se assemelham a mantras hipnóticos, em presenciar espetáculos deprimentes de supostos possessos sendo humilhados diante da congregação e da audiência televisiva, em ouvir animadores de auditório travestidos de pregadores com declarações fervorosas, e coisas do tipo.
Essa gente sobrecarregada de carências, frustrações, complexos e neuroses torna-se ainda mais neurótica, complexada, frustrada e carente quando cai nas garras de manipuladores eloquentes que bem sabem como explorar seus sentimentos e emoções, impondo rédeas sufocantes e conduzindo o rebanho manhoso aos pastos ressecados e às tranquilas margens do pântano.
São, na verdade, bebês chorões. São crianças birrentas com excesso de vontades e melindres. Nada que o amadurecimento da fé não resolva. Mas preferem continuar na infância espiritual, com chupetas e mamadeiras, fraldas e babadores, chocalhos e ursinhos de pelúcia. Em vez de autênticos pastores, querem babás. Em vez de comida sólida, querem leite e papinha. Em vez de aprender a andar, querem continuar engatinhando.
Isso é uma combinação explosiva: de um lado, liderados cheios de carência; de outro, líderes vazios de caráter.
Só podia dar no que se vê por aí: uma perfeita acomodação sado-masoquista entre igrejas que exploram e crentes explorados, ou entre pastores que manipulam e ovelhas manipuladas.
Num estudo sobre o neopentecostalismo, o sociólogo da religião Antônio Gouvêa Mendonça estabelece cinco marcas principais dessas comunidades de crescimento fenomenal entre evangélicos. Transcrevo-as:
1. Características empresariais de prestação de serviços ou de oferta de bens de religião mediante recompensa pecuniária, com modernos sistemas de administração e ‘marketing’ ;
2. Distanciamento da Bíblia, usada esporadicamente sem nenhum rigor hermenêutico ou exegético;
3. Inexistência de comunidade (seus frequentadores são clientes e a relação entre a empresa e o cliente é na base do do ut des);
4. Como não há comunidade de adoração e louvor, o culto tem características de ajuntamento de interessados na obtenção imediata dos favores sagrados;
5. Intenso ambiente de magia.
A rigor, não são igrejas identificadas com os ideais do reino de Deus. São creches que refletem o ideal de Peter Pan, onde ninguém cresce. Permanecem todos como meninos. Os meninos perdidos da Terra do Nunca.
***
Carlos Novaes é pastor da Igreja Batista de Barão da Taquara, em Jacarepaguá – Rio de Janeiro (RJ). Divulgação: Púlpito Cristão. (artigo enviado por e-mail). Título Original: Mais carentes do que crentes

domingo, 5 de agosto de 2012

EU LI: Graça ou desgraça?

















Arrependimento é graça. Autojustificação é desgraça.      

Confiar na misericórdia de Deus é graça. Querer ser justo com os próprios esforços é desgraça.
Amor é graça. Legalismo é desgraça.

Boas obras por ser salvo é graça. Boas obras para ser salvo é desgraça.

Receber o perdão divino é graça. Carregar o fardo da culpa é desgraça.

Estender a mão a quem cai é graça. Julgar aquele que caiu é desgraça.

Dividir e compartilhar é graça. Reter apenas para si é desgraça.
Comunhão é graça. Partidarismo é desgraça.

Alegrar-se com os que se alegram é graça. Inveja ou ciúme é desgraça.

Chorar com os que choram é graça. Ser insensível à dor alheia é desgraça.

Ficar ao lado de quem sofre, ainda que nada seja dito, é graça. Ficar ao lado de quem sofre para julgar, cobrar e condenar é desgraça.

Dar a outra face, deixar a capa junto com a túnica, andar a segunda milha é graça. Desejar vingança, pagar com a mesma moeda, retribuir o mal com o mal é desgraça.

Compreender e perdoar é graça. Ressentir-se e deixar a mágoa criar raízes é desgraça.

Fazer o bem ao que está faminto, sedento, doente, nu e preso, como quem faz a Jesus, é graça. Fazer o bem aos outros simplesmente para vangloriar-se é desgraça.

Aceitar a vocação de todo o povo de Deus, sem castas, hierarquias ou elites religiosas, é graça. Aceitar somente a vocação do clero, do sacerdócio ou do episcopado é desgraça.

Conhecer as Escrituras, mesmo sem muitas informações sobre as Escrituras, é graça. Acumular todas as informações sobre as Escrituras e nada saber das próprias Escrituras é desgraça.

Levar a Bíblia na mente, mesmo sem carregá-la debaixo do braço, é graça. Carregar a Bíblia debaixo do braço sem tê-la na mente é desgraça.

Entender o espírito da letra é graça. Ler apenas o que diz a letra é desgraça.

Servir ao Reino de Deus por amor a Deus é graça. Servir a Deus por qualquer outra razão é desgraça.

Amar a igreja do Senhor por amar ao Senhor da igreja é graça. Amar a igreja do Senhor sem amar o Senhor da igreja é idolatria, é formalidade religiosa, é desgraça.

Adorar com fé e obediência é graça. Adorar apenas para cumprir a liturgia fria e o ritualismo vazio é desgraça.

Orar e esperar a resposta de Deus, sabendo que do Pai Celestial sempre recebemos as melhores respostas, é graça. Orar e impor uma resposta a Deus é desgraça.

Dizimar ou ofertar a Deus com o coração agradecido é graça. Dizimar ou ofertar para barganhar com Deus é desgraça.

Usar os dons espirituais para abençoar os outros é graça. Usar os dons espirituais para autopromoção e autoexibição é desgraça.

Multiplicar os talentos para a edificação dos membros do Corpo de Cristo é graça. Enterrar os talentos para preservar vantagens e ganhos pessoais é desgraça.

Ser ministro de um projeto para a expansão do Reino de Deus é graça. Ser ministro de um projeto para a expansão do próprio reino é desgraça.

Pastorear o rebanho de Deus é graça. Manipular o rebanho de Deus é desgraça.

Pregar a Palavra de Deus é graça. Pregar as próprias palavras como se fossem Palavra de Deus é desgraça.

Chamar Deus de Pai e viver como filho do Pai é graça. Chamar Deus de Pai e viver como filho do Diabo é desgraça.

Chamar Jesus de Senhor e fazer a sua vontade é graça. Chamar Jesus de Senhor e desprezar a sua vontade é desgraça.

Reconhecer o erro e voltar atrás é graça. Querer estar sempre certo e nunca ceder é desgraça.
Quebrantar o coração é graça. Endurecer o coração é desgraça.

Voltar para casa, de coração contrito e quebrantado como o do filho pródigo, é graça. Permanecer na casa, com o coração orgulhoso e soberbo como o do filho mais velho, é desgraça.

Sinceridade com amor é graça. Sinceridade despeitada, espinhosa e cruel é desgraça.

Repreensão com amor é graça. Repreensão enraivecida e destemperada, que não passa de reação do orgulho ferido e da vaidade ofendida, é desgraça.

Indignação com firmeza e mansidão é graça. Indignação com violência e fúria é desgraça.

Renunciar a si mesmo, perder a própria vida e deixar o grão morrer na terra para que dê algum fruto é graça. Encher-se de si mesmo, salvar a própria vida e conservar o grão vivo na terra sem que haja qualquer fruto é desgraça.

Ser uma nova criatura em Cristo é graça. Continuar sendo a mesma criatura sem Cristo é desgraça.

Viver em Cristo, por Ele e para Ele, é graça, é sempre graça, é pura graça. Viver sem Cristo, longe e fora dEle, não é viver, é desgraça pura, não tem graça, não tem nenhuma graça.

O que, afinal, queremos ser?

Agraciados ou desgraçados?

Pr. Carlos Novaes
Pastor da Igreja Batista de Barão da Taquara – Rio de Janeiro-RJ
carlospnovaes@gmail.com