Siga por Email

Marcadores

Encontre no blog. É só digitar

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

EU LI: Teoria moral da manga














Teoria moral da manga - Rubem Alves

O velho caipira, com cara de amigo, que encontrei num Banco, estava esperando para ser atendido. Ele ia abrir uma conta. Começo de um novo ano... Novas perspectivas... E como não podia deixar de ser, também começou ali um daqueles papos de fila de banco. Contas, décimo terceiro que desapareceu, problemas do Brasil, tsunami... Será que vai chover?

Mas, em determinado momento, a conversa tomou um rumo: "Qual é então o maior problema do Brasil para ser resolvido?" E aí, o representante rural, nosso querido "Mazzaropi da modernidade" falou com um tom sério demais para aquele dia: “O maior problema do Brasil é que sobra muita manga!”

Tentei entender a teoria... Fez-se um silêncio e ele continuou: "O senhor já viu como sobra manga hoje debaixo das árvores? Já percebeu como se desperdiça manga? Sim... Creio que todos já percebemos isto... Onde tem pé de manga, tem sobrado manga..." E aí ele continuou: "Num país onde mendigo passa fome ao lado de um pé de manga... Isso é um absurdo! Num país que sobra manga tem pouca criança. Se tiver pouca criança as casas são vazias... Ou as crianças que tem já foram educadas para acreditar que só "ice cream" e jujuba são sobremesas gostosas. Boa é criança que come manga e deixa escorrer o caldo na roupa... É sinal que a mãe vai lavar, vai dar bronca, vai se preocupar com o filho. Se for filho tem pai....

Se tiver pai e manga de sobremesa é porque a família é pobre... Se for pobre, o pai tem que ser trabalhador... Se for trabalhador tem que ser honesto... Se for honesto, sabe conversar... Se souber conversar, os filhos vão compreender que refeição feliz tem manga que é comida de criança pobre e que brinca e sobe em árvore... Se subir em árvore, é por que tem passarinho que canta e espaço para a árvore crescer e para fazer sombra... Se tiver sombra tem um banco de madeira para o pai chegar do trabalho e descansar...

Quem descansa no banco, depois do trabalho, embaixo da árvore, na sombra, comendo manga é porque toca viola... E com certeza tá com o pé na grama... Quem pisa no chão e toca música tem casa feliz... Quem é feliz e canta com o violeiro, sabe rezar... Quem sabe rezar sabe amar... Quem ama, se dedica... Quem se dedica, ama, reza, canta e come manga, tem coração simples... Quem tem coração assim, louva a Deus.

Quem louva a Deus, não tem medo... Nada faltará porque tem fé... Se tiver fé em Deus, vê na manga a providência divina... Come a manga, faz doce, faz suco e não deixa a manga sobrar... Se não sobra manga, tá todo mundo ocupado, de barriga cheia e feliz. Quem tá feliz... Não reclama da vida em fila do banco... "

Daí fez-se um silêncio...

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

EU LI: O pato e a culpa















A HISTÓRIA DO PATO


Havia um pequeno menino que nas férias visitava os avós em sua fazenda. Um dia ganhou um estilingue para brincar no mato. Ele praticou na floresta, mas nunca conseguia acertar o alvo.

Desanimado, ele voltava para jantar, quando viu o pato de estimação da avó e, em um impulso, acertou a cabeça do pato e matou-o. Chocado, triste e em pânico, ele escondeu o pato morto na pilha de madeira! Sally (sua irmã) tinha visto tudo, mas ela não disse nada. 


Após o almoço no dia seguinte, a avó disse: "Sally, vamos lavar a louça". Mas Sally disse: "Vovó, Johnny me disse que queria ajudar na cozinha."


Em seguida, ela sussurrou ao ouvido do irmão: "Lembra-se do pato?”Assim, Johnny lavou os pratos.


Mais tarde naquele dia, quando vovô perguntou se as crianças queriam ir pescar, a vovó disse "me desculpe, mas eu preciso de Sally para ajudar a fazer o jantar". Sally apenas sorriu e disse, "eu vou porque Johnny me disse que queria ajudar no jantar". Novamente sussurrou no ouvido do irmão: "lembra-te do pato?"Então Sally foi pescar e Johnny ficou para ajudar.


Após vários dias de Johnny fazendo o trabalho de Sally, ele finalmente não aguentava mais, falou com a avó e confessou que tinha matado o pato.


A avó ajoelhou, deu-lhe um abraço e disse: "Querido, eu sei... eu estava na janela e vi a coisa toda, mas porque eu te amo, eu te perdoei. Eu só estava me perguntando quanto tempo você iria deixar Sally fazer de você um escravo."




Pensamento do dia e todos os dias depois:


Qualquer que seja o seu passado, o que você tem feito... O diabo fica jogando-o no seu rosto (mentir, enganar, a dívida, medo, maus hábitos, ódio, raiva, amargura, etc ).... 



Seja o que for... Você precisa saber que Deus estava de pé na janela e viu a coisa toda.
Ele viu toda a sua vida... 


Ele quer que você saiba que Ele te ama e que você está perdoado. 


Ele está apenas querendo saber quanto tempo você vai deixar o diabo fazer de você um escravo.


A grande coisa acerca de Deus é que quando você pedir perdão, Ele não só perdoa, mas Ele se esquece.


É pela graça e misericórdia de Deus que somos salvos.


Vá em frente e faça a diferença na vida de alguém hoje.
Compartilhe esta mensagem com um amigo e lembre-se sempre: Deus está à janela!

sábado, 28 de janeiro de 2012

CURTINHAS: Nele eu posso

"Posso todas as coisas naquele que me fortalece". Inclusive ser transpassado por uma espada como foi Tiago, apedrejado como foi Estêvão ou, como se crê, decapitado como Paulo, o outro. (Paulo Natalino Dian)

CURTINHAS: Cristãos e cristãos









Há cristãos que são cristãos porque são seguidores de Jesus, o Cristo. E há cristãos que são cristãos porque têm as cristas grandes. Sons iguais, naturezas diferentes.  
(Paulo Natalino Dian)

EU LI: Quando falar...
















Quando falar de amor, finja nada conhecer, para absorver cada frase que brote do coração.

Quando falar sobre a dor, deixe abertas as janelas da alma para compreender que amor e dor são tão parecidos que até os confundimos, ao vê-los bem de pertinho.

Quando falar sobre a paz, faça-o no rumor da guerra, para ser ouvido na mais alta voz.

Quando falar sobre sonhos, acorde, para vivê-los na melhor lucidez do seu dia.

Quando falar de amizade, estenda a mão aos seus inimigos, para que possa provar a si mesmo aquilo que gosta de dizer aos outros.

Quando falar de fome, faça um minuto de jejum, para lembrar daqueles que jejuam todos os dias, mesmo sem querer.

Quando falar de frio, abrace alguém.

Quando falar de calor, estenda a mão.

Quando estender a mão, sustenha o braço para que perdure.

Quando falar de felicidade, acredite nela.

Quando falar de fé, cerre os olhos para encontrar a razão daquilo em que crê.

Quando falar de Deus, faça-o pelo silêncio do seu testemunho.

Quando falar de si mesmo, aprenda a calar, para entender o amor, a dor, a paz, os sonhos...

(Lindo. Infelizmente não descobri o autor).

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

PARA RIR: A pesquisa

















A ONU resolveu fazer uma pesquisa em todo o mundo. Enviou uma carta para o representante de cada país com a pergunta: "Por favor, diga HONESTAMENTE qual a sua OPINIÃO sobre a ESCASSEZ de ALIMENTOS no RESTO DO MUNDO". 

A pesquisa foi um grande fracasso. Sabe por quê? 

Todos os países europeus não entenderam o que era "escassez". 

Os africanos não sabiam o que era "alimento". 

Os cubanos estranharam e pediram maiores explicações sobre o que era "opinião". 

Os argentinos mal sabem o significado de "por favor". 

Os norte-americanos nem imaginam o que significa "resto do mundo". 

O congresso brasileiro está até agora debatendo para descobrir o que é "honestamente".
(Fonte: Internet)

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

NO CAMINHO: Os milagres contra o amor






















OS MILAGRES CONTRA O AMOR.
O mundo está cheio de milagres e de sobrenatural..., mas vazio de Deus!

O que diferencia as coisas de Deus das coisas dos deuses entre os homens não são milagres, nem poderes, nem demonstrações, nem sinais, nem prodígios, nem coisas extraordinárias, posto que todas essas coisas sempre tenham se manifestado entre todos os povos da terra.

Línguas estranhas, profecias, sonhos e visões, curas, sinais prodigiosos etc. estão presentes em todos os registros de quase todos os povos primitivos.

Portanto, o que diferencia as coisas de Deus das coisas dos deuses não são fenômenos, mas um único fenômeno: o amor.

Não é o nome de um deus ou de “Deus” que faz a diferença, mas exclusivamente o amor.

Onde o diferencial é amor, não importa a cultura, o ambiente religioso, a ignorância, whatever... Se há amor, aí há Deus.

Se não há amor, pode haver o nome de Deus, as doutrinas de “Deus”, culto a Deus, tudo a Deus — mas não haverá Deus aí.

Milagres sem Deus são comuns...
O incomum é o milagre de Deus...
O sobrenatural não é a marca de Deus...
A marca de Deus é o amor...

O mundo está cheio de milagres e de sobrenatural, mas vazio de Deus!

Jesus fez muitos milagres, mais milagres do que qualquer outro ser humano. No entanto, a leitura do Evangelho nos mostra que Jesus faz milagres como um gesto de amor pela fraqueza e pela dor humana, mas não como um recurso da revelação de Deus.

Ao contrário, Jesus denuncia a relação adoecida das multidões com os Seus próprios milagres, e diz: Não foi por mim e nem pela Palavra que vocês voltaram, mas porque vocês comeram pão de graça...”

Jesus fez e aconteceu até que “os judeus” começaram a “pedir sinais”; então Ele foi diminuindo...

A esta geração não será dado outro sinal senão o do profeta Jonas! — disse Jesus nessa hora.

Milagres do amor curam e não adoecem a alma.

Mas os milagres dos fenômenos, esses matam o espírito, pois criam fé no milagre e não em Deus, e dão ao que busca o milagre a sensação errada de que o milagre valida a experiência da pessoa com Deus; e não é o caso.

Por isto é que no Evangelho o único milagre a ser sempre celebrado é o da conversão, é o do arrependimento, é o da novidade de vida, é o novo nascimento!...

Ora, esse milagre que o Evangelho busca e celebra, só acontece mediante o amor; pois, sem amor, todo milagre é apenas manifestação de um fenômeno.

Ainda que tudo...” — sem amor nada aproveitará.

O problema é que os crentes, à semelhança dos judeus dos dias de Jesus, buscam sinais, mas não querem a Palavra!

Assim, buscando sinais não crêem no amor e na fé como sinais que superam todos os demais.

Ao final, o que acontece é que um milagreiro lê este meu texto e ri de mim, desse coitado, desse romântico, desse otário, desse bobo que fica aí falando de amor.

Eu, todavia, creio tanto nisto quanto em tudo o mais..., mas quero apenas ser discípulo dos milagres do amor de Deus, e não tenho desejo por nenhum poder que não nasça exclusivamente do amor.


Nele, de Quem aprendi que se não for assim [...] de Deus não é,

Caio

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

EU LI: Experiência


















Vejam que beleza de texto. Segundo quem me enviou, é uma redação que foi escrita por um candidato num exame seletivo para a Volkswagen.

O candidato foi aprovado e seu texto está navegando por aí, pela sua criatividade, sua poesia e acima de tudo, pela sua alma.



 "Já fiz cosquinha na minha irmã só pra ela parar de chorar, já me queimei brincando com vela.

Eu já fiz bola de chiclete e melequei todo o rosto, já conversei com o espelho, e até já brinquei de ser bruxo.

Já quis ser astronauta, violonista, mágico, caçador e trapezista.

Já me escondi atrás da cortina e esqueci os pés pra fora.

Já passei trote por telefone.

Já tomei banho de chuva e acabei me viciando.

Já roubei beijo. Já confundi sentimentos.

Peguei atalho errado e continuo andando pelo desconhecido.

Já raspei o fundo da panela de arroz carreteiro, já me cortei fazendo a barba apressado,
já chorei ouvindo música no ônibus.

Já tentei esquecer algumas pessoas, mas descobri que essas são as mais difíceis de esquecer.

Já subi escondido no telhado pra tentar pegar estrelas, já subi em arvore pra roubar fruta,
já caí da escada.

Já fiz juras eternas, já escrevi no muro da escola, já chorei sentado no chão do banheiro,
já fugi de casa pra sempre, e voltei no outro instante.

Já corri pra não deixar alguém chorando, já fiquei sozinho no meio de mil pessoas sentindo falta de uma só.

Já vi pôr-do-sol cor-de-rosa e alaranjado, já me joguei na piscina sem vontade de voltar, já bebi uísque até sentir dormentes os meus lábios, já olhei a cidade de cima e mesmo assim não encontrei meu lugar.

Já senti medo do escuro, já tremi de nervoso, já quase morri de amor, mas renasci novamente pra ver o sorriso de alguém especial.

Já acordei no meio da noite e fiquei com medo de levantar.

Já apostei em correr descalço na rua, já gritei de felicidade, já roubei rosas num enorme jardim.

Já me apaixonei e achei que era para sempre, mas sempre era um "para sempre" pela metade.

Já deitei na grama de madrugada e vi a Lua virar Sol, já chorei por ver amigos partindo, mas descobri que logo chegam novos, e a vida é mesmo um ir e vir sem razão.

Foram tantas coisas feitas, momentos fotografados pelas lentes da emoção, guardados num baú, chamado coração.
E agora um formulário me interroga, me encosta na parede e grita:

"Qual a sua experiência?"

Essa pergunta ecoa no meu cérebro:

Experiência...experiência...

Será que ser "plantador de sorrisos" é uma boa experiência? Não!!!

Talvez eles não saibam ainda "colher sonhos"!

Agora gostaria de indagar uma pequena coisa para quem formulou esta pergunta: Experiência? Quem a tem, se, a todo momento, tudo se renova?

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

EU LI: 2012, o ANO DA VITÓRIA

















EU ME RENDO - ESTE É O ANO DA CONQUISTA, SIM O ANO DA VITÓRIA




Ouço e leio o tempo todo sobre ser este ano, um ano de conquista.


Bem, eu me rendo, aqui vai o que quero conquistar este ano:


Quero ser livre, consciente, responsável, mobilizado em direção ao bem comum, apegado aos valores eternos.


Caminhar com gente do bem e engajada a serviço do bem.


Cuidar de alguns, me deixar cuidar por outros.


Ser simples e contemplar o belo e todas as suas nuances.


Viver em paz com minha família e familiares.


Ter um grupo de amigos e irmãos pra celebrar a fé e a vida.


Continuar perto dos meus amigos mentores e tê-los ao redor da mesa.


Voltar a correr pra poder ir às padarias sem culpas.


Participar de horas alegres e tristes com minha família, familiares e amigos.


Viajar pra lugares que ainda não fui e, se puder, voltar a alguns que me impressionaram.


Contribuir com gente que está servindo na formação de cidadãos do bem, especialmente, educadores em geral, com os quais já estou envolvido.


Ser mediador de conflitos buscando construir uma Cultura de paz e justiça que restaura a dignidade das pessoas.


Ser leal aos amigos.


Lavar os pés dos que não compartilham comigo das mesmas idéias, pensamentos e que por conta disto, divergimos. Apenas divergimos, não somo inimigos ou adversários muito menos concorrentes.


Quero ter meus pais, meus irmãos e suas famílias mais tempo comigo.


Quero rever meus familiares mais distantes.


Quero contribuir com quem esta tirando gente das ruas pra devolve-los a dignidade da vida.


Quero estar em alguns ambientes onde estejam refletindo e se mobilizando quanto a uma economia mais justa.


Quero ficar atento e mobilizado em relação ao meio ambiente.


Quero ficar longe do mercado religioso, mas, perto dos que desejam e buscam uma espiritualidade sadia.


Quero participar pra valer em campanhas e mobilizações por um transito menos violento, com motoristas mais conscientes e educados.


Quero tentar resgatar pessoas que perdi no caminho.


Quero ter coragem de pedir perdão pra alguns e acolher o perdão se me for dado.


Quero estar aberto pra começar caminhar com pessoas e, quem sabe, construir novas amizades. 


Quero ser mais hospitaleiro.


Quero ler mais livros, alias, quero ler mais.


Quero ver amanheceres e entardeceres e me deslumbrar todas as vezes.


Quero ver a vida brotando entre os trincos que ela mesma provoca.


Quero participar de movimentos sérios que contribuam pra que menos famílias fiquem desabrigadas em épocas de chuva. Afinal, será que ninguém se da conta que, continuar permitindo que as cidades cresçam sobretudo nas beiras de rios, em vales, em montanhas é por em risco a vida.


Quero ser voluntário pra servir as vitimas de tragédias.


Quero ser convidado pra inaugurações de creches, abrigos pra velhos, escolas publicas modelos, hospitais públicos modelos, ambientes prisionais que busquem a restauração e reintegração dos que já cumpriram suas penas.


Quero ver crescendo a Justiça Restaurativa.


Quero ver as mulheres sendo tratadas com honra em todos os níveis da sociedade e não sendo mais vitimadas e violentadas por homens inescrupulosos e criminosos.


Quero continuar caminhando com os amigos irmãos e irmãos amigos que por escolha se reúnem comigo como CAMINHO DA GRAÇA ESTAÇÃO SÃO PAULO.


Preciso da ajuda de vocês pra conquistar isto tudo, pois, é impossível fazer isto sozinho.




Vamos juntos?




Carlos Bregantim (http://www.facebook.com/CaminhoConsciencia)

domingo, 8 de janeiro de 2012

EU LI: BBB


















BIG BROTHER BRASIL
(Luiz Fernando Veríssimo)

Que me perdoem os ávidos telespectadores do Big Brother Brasil (BBB), produzido e organizado pela nossa distinta Rede Globo, mas conseguimos chegar ao fundo do poço.
A  décima primeira (está indo longe!) edição do BBB é uma síntese do que há de pior na TV brasileira. Chega a ser difícil encontrar as palavras adequadas para qualificar tamanho atentado à nossa modesta inteligência.

Dizem que em Roma, um dos maiores impérios que o mundo conheceu, teve seu fim marcado pela depravação dos valores morais do seu povo, principalmente pela banalização do sexo. O BBB é a pura e suprema banalização do sexo. Impossível assistir, ver este programa ao lado dos filhos. Gays, lésbicas, héteros... todos, na mesma casa, a casa dos “heróis”, como são chamados por Pedro Bial. Não tenho nada contra gays, acho que cada um faz da vida o que quer, mas sou contra safadeza ao vivo na TV, seja entre homossexuais ou heterossexuais. O BBB é a realidade em busca do IBOPE.

 Veja como Pedro Bial tratou os participantes do BBB. Ele prometeu um “zoológico humano divertido”. Não sei se será divertido, mas parece bem variado na sua mistura de clichês e figuras típicas.

Pergunto-me, por exemplo, como um jornalista, documentarista e escritor como Pedro Bial que, faça-se justiça, cobriu a Queda do Muro de Berlim, se submete a ser apresentador de um programa desse nível. Em um e-mail que  recebi há pouco tempo, Bial escreve maravilhosamente bem sobre a perda do humorista Bussunda referindo-se à pena de se morrer tão cedo.

Eu gostaria de perguntar, se ele não pensa que esse programa é a morte da cultura, de valores e princípios, da moral, da ética e da dignidade.

Outro dia, durante o intervalo de uma programação da Globo, um outro repórter acéfalo do BBB disse que, para ganhar o prêmio de um milhão e meio de reais, um Big Brother tem um caminho árduo pela frente, chamando-os de heróis. Caminho árduo? Heróis? São esses nossos exemplos de heróis?

Caminho árduo para mim é aquele percorrido por milhões de brasileiros: profissionais da saúde, professores da rede pública (aliás, todos os professores), carteiros, lixeiros e tantos outros trabalhadores incansáveis que, diariamente, passam horas exercendo suas funções com dedicação, competência e amor, quase sempre mal remunerados...

Heróis, são milhares de brasileiros que sequer têm um prato de comida por dia e um colchão decente para dormir e conseguem sobreviver a isso, todo santo dia.

Heróis, são crianças e adultos que lutam contra doenças complicadíssimas porque não tiveram chance de ter uma vida mais saudável e digna.

Heróis, são aqueles que, apesar de ganharem um salário mínimo, pagam suas contas, restando apenas dezesseis reais para alimentação, como mostrado em outra reportagem apresentada, meses atrás pela própria Rede Globo.

O Big Brother Brasil não é um programa cultural, nem educativo, não acrescenta informações e conhecimentos intelectuais aos telespectadores, nem aos participantes, e não há qualquer outro estímulo como, por exemplo, o incentivo ao esporte, à música, à criatividade ou ao ensino de conceitos como valor, ética, trabalho e moral.

E ai vem algum psicólogo de vanguarda e me diz que o BBB ajuda a "entender o comportamento humano". Ah, tenha dó!!!

Veja o que está por de tra$$$$$$$$$$$$$$$$ do BBB: José Neumani da Rádio Jovem Pan, fez um cálculo de que se vinte e nove milhões de pessoas ligarem a cada paredão, com o custo da ligação a trinta centavos, a Rede Globo e a Telefônica arrecadam oito milhões e setecentos mil reais. Eu vou repetir: oito milhões e setecentos mil reais a cada paredão.

Já imaginaram quanto poderia ser feito com essa quantia se fosse dedicada a programas de inclusão social: moradia, alimentação, ensino e saúde de muitos brasileiros? (Poderiam ser feitas mais de 520 casas populares; ou comprar mais de 5.000 computadores!)

Essas palavras não são de revolta ou protesto, mas de vergonha e indignação, por ver tamanha aberração ter milhões de telespectadores.

Em vez de assistir ao BBB, que tal ler um livro, um poema de Mário Quintana ou de Neruda ou qualquer outra coisa..., ler a Bíblia, orar, meditar, passear com os filhos, ir ao cinema..., estudar... , ouvir boa música..., cuidar das flores e jardins... , telefonar para um amigo... , visitar os avós... , pescar..., brincar com as crianças... , namorar... ou simplesmente dormir.

Assistir ao BBB é ajudar a Globo a ganhar rios de dinheiro e destruir o que ainda resta dos valores sobre os quais foi construída nossa sociedade.
Um abismo chama outro abismo.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

EU LI: A religião acima da vida

Mulher é demitida após ter engravidado por inseminação artificial

Nova York (EUA) - Sentada no colo de sua mãe, uma menina de 10 meses, belos olhos azuis e bochechas rechonchudas ostenta um largo sorriso enquanto brinca com um enfeite de árvore de Natal. A criança é filha de Christa Dias - e a razão pela qual ela foi demitida do emprego em duas escolas católicas de Cincinnati, nos EUA.

"Eu sempre quis ter um bebê", disse Dias. "Eu sempre soube disso. É por isso que eu me tornei uma professora, porque eu adoro crianças.
Reprodução Internet
Christa foi demitida de duas escolas católicas após ter engravidado por inseminação artificial | Foto: Reprodução Internet
O problema de Dias começou quando ela resolveu se submeter a uma inseminação artificial para engravidar. Ao descobrirem que a professora utilizou métodos "não convencionais" para gerar a criança, as duas escolas resolveram demiti-la.

Ela processou as escolas em abril deste ano, sob acusação de discriminação da gravidez e quebra de contrato. Seu caso, arquivado na Corte Distrital de Cincinatti, está em espera enquanto a Suprema Corte do EUA decide sobre um caso similar.

Inicialmente, as escolas alegaram ter demitido Dias unicamente por ela estar grávida. Mas quando foram informados de que poderiam violar leis estaduais e federais, eles mudaram a razão da demissão para gravidez como resultado de inseminação artificial. Segundo os empregadores, o método viola ensinamentos católicos.

As escolas "admitiram que não tinham outro motivo para demitir Christa Dias", disseram os advogados da professora. (Fonte: Jornal O DIA)