Siga por Email

Marcadores

Encontre no blog. É só digitar

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

EU LI: Maravilhoso cérebro!












O nosso cérebro é maravilhoso!!!

De aorcdo com uma peqsiusa


de uma uinrvesriddae ignlsea,


não ipomtra em qaul odrem as


Lteras de uma plravaa etãso,


a úncia csioa iprotmatne é que


a piremria e útmlia Lteras etejasm


no lgaur crteo.. O rseto pdoe ser


uma bçguana ttaol, que vcoê


anida pdoe ler sem pobrlmea.









Itso é poqrue nós não lmeos


cdaa Ltera isladoa, mas a plravaa


cmoo um tdoo.



Sohw de bloa.


terça-feira, 27 de setembro de 2011

PARA RIR: Cachorro Velho


 





Cachorro VELHO 

Uma velha senhora foi para um safári na África e levou seu velho vira-lata com ela. 

Um dia, caçando borboletas, o velho cão, de repente, deu-se conta de que estava perdido. 

Vagando a esmo, procurando o caminho de volta, o velho cão percebe que um jovem leopardo o viu e caminha em sua direção, com intenção de conseguir um bom almoço.

O cachorro velho pensa: 

- Oh, oh! Estou mesmo enrascado! Olhou à volta e viu ossos espalhados no chão por perto. Em vez de apavorar-se mais ainda, o velho cão ajeita-se junto ao osso mais próximo, e começa a roê-lo, dando as costas ao predador.

Quando o leopardo estava a ponto de dar o bote, o velho cachorro exclama bem alto:
 -Cara, este leopardo estava delicioso! Será que há outros por aí? 

Ouvindo isso, o jovem leopardo, com um arrepio de terror, suspende seu ataque, já quase começado, e se esgueira na direção das árvores. 

- Caramba! pensa o leopardo, essa foi por pouco! O velho vira-lata quase me pega! 

Um macaco, numa árvore ali perto, viu toda a cena e logo imaginou como fazer bom uso do que vira: em troca de proteção para si, informaria ao predador que o vira-lata não havia comido leopardo algum... 

E assim foi, rápido, em direção ao leopardo. Mas o velho cachorro o vê correndo na direção do predador em grande velocidade, e pensa: 

- Aí tem coisa! 

O macaco logo alcança o felino, cochicha-lhe o que interessa e faz um acordo com o leopardo. O jovem leopardo fica furioso por ter sido feito de bobo, e diz:
- Aí, macaco! Suba nas minhas costas para você ver o que acontece com aquele cachorro abusado!' 

Agora, o velho cachorro vê um leopardo furioso, vindo em sua direção, com um macaco nas costas, e pensa: 


-E agora, o que é que eu posso fazer? 

Mas, em vez de correr (sabe que suas pernas doloridas não o levariam longe...) o cachorro senta, mais uma vez dando costas aos agressores, e fazendo de conta que ainda não os viu, e quando estavam perto o bastante para ouvi-lo, o velho cão diz: 

-Cadê o (@#*"!^&*¨) daquele macaco? Tô morrendo de fome! 
Ele disse que ia trazer outro leopardo para mim e  não chega nunca! ' 


Moral da história: não mexa com cachorro velho... idade e habilidade se sobrepõem à juventude e intriga. Sabedoria só vem com idade e experiência. 
(Fonte: Internet, via minha amiga Dra. Sonia)

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

EU LI: PRIMAVERA






   











A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.


Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.


Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.


Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.


Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.


Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.


Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.


Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.


Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.



(Do livro Obra em Prosa de Cecília Meireles)

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

ESCREVENDO: O dízimo, a dúvida e a resposta















(Compartilho aqui o que uma pessoa, cujo nome omito por questões éticas, postou no Facebook em relação ao dízimo, e os comentários que fiz).


O DÍZIMO, A DÚVIDA E A RESPOSTA

A questão: Boa noite. A bíblia ensina a dar o dizimo. Só que com a onda de igrejas desonestas, perdemos a espontânea atitude de contribuir. De que forma podemos cumprir o mandamento bíblico sem permitir que este dinheiro seja usurpado, mas ao invés disso, dar a este valor o devido destino?


Meu Comentário: (...) meu irmão, o dízimo é uma forma e oportunidade de compartilhar. Eu lhe sugiro a leitura de Deuteronômio 14: 28-29 e 26:10-13. Lá você vai encontrar uma das razões do dízimo já esquecida. Leia! Você verá que, fazendo-se os ajustes necessários, é perfeitamente possível fazer o mesmo hoje, não por força de um mandamento, mas por um ato de amor. Abraço fraterno.


A nova pergunta: A (...) pediu para perguntar por que o dízimo existe na bíblia e não no Evangelho de Jesus?


Meu Comentário: Bem (...) antes que qualquer outra coisa é preciso esclarecer que o Evangelho de Jesus está na Bíblia também. Agora, respondendo objetivamente à pergunta, eu poderia dizer que, realmente, nos Evangelhos não há uma determinação de se dizimar nos moldes do A.T. porque o chamado de Jesus é para que você deixe tudo e siga-o. Ou seja, em Jesus nós aprendemos que ser servo é ter a consciência de que tudo pertence ao Senhor, embora esteja na nossa administração. Então, esqueça o dízimo e sirva ao Senhor com tudo o que você é e tem. Como? Leia Mateus 25:31-46. Abração!

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

EU LI: Amo a humanidade. Detesto o Zé e a Joaquina















(O texto que segue foi copiado de uma postagem do Facebook. No final, reproduzo o comentário que fiz lá)

AMO A HUMANIDADE. DETESTO O ZÉ E A JOAQUINA.

Amar a humanidade é fácil. Afinal, a coletividade não tem rosto.

Difícil, se não impossível em certos casos, é amar em nível individual gente como...

...o vizinho tosco, que toca [apo]Calypso no som do carro durante todo o sábado.

...o crente chato, que me enche o saco falando só de igreja e fazendo convites coercitivos.

...o ranzinza do colega de trabalho, que sofre de mau humor crônico e contamina o ambiente.

...o patrão sacana, que acha um "jeitinho" de sonegar meus direitos trabalhistas.

...o falso e fingido amigo, que me cobre de rapapés mas, longe de mim, faz minha caveira pros outros.

...o crápula que, para se autopromover, se diz meu "irmão de fé" e se junta a tudo quanto é grupo e rede social de que participo que tentam tratar a sério temas relativos à espiritualidade.

...o parente que, porque tem grana, pensa que pode decidir por mim o que é melhor para mim & família, etc.

Minha vontade, mesmo, é aproveitar este meu mau humor de hoje e mandar todos eles irem juntos sentar em supositórios pra hipopótamo!

Amá-los, não sei nem consigo. Se nem "ir com a cara deles" eu consigo, que dirá amá-los!

E sei que a recíproca é verdadeira, seguramente. Somos bípedes pensantes (nem todos) mas bem esquisitos, embora feitos à imagem dAquele que é Amor.

Cada um, todavia, divorcia-se da Imagem Original, escolhe seus próprios descaminhos de desamor e é por eles que trilha vida afora. Assim sou eu, assim é você -- sejamos sinceros!

Portanto, no nível individual, com exceção de poucas pessoas, eu não sei absolutamente nada do que seja amar. Aliás, sei sim, mas só em teoria. E teoria me abunda na cabeça. Neste caso, contudo, teoria e nada são a mesma coisa.

Em suma, dependendo de quem seja o meu "próximo", eu não cumpro nada do Mandamento dos mandamentos segundo o Cristo determina a todos os seus discípulos, de quem procuro ser um.

Mas sei que não é assim que deve ser. Deve haver esperança pro meu caso. Afinal, como sempre afirmo, eu amo a humanidade... (Fausto Castello)


Meu comentário: Muito bom seu texto Fausto Castello. Muito bom. Ele á um chamado à reflexão e à ação, vez que, na teoria, tudo é muito fácil. Eu não tenho a menor dúvida, por experiência, que o mandamento do amor prático não é nada fácil de se cumprir. Mas eu o tomo como desafio e como exercício de todos os dias. E sei que é assim com você também. E precisa ser assim. Pois, o "... quando fizeste a um desses pequeninos, a mim o fizeste..." é a regra maior. E, segundo Paulo, o outro, não basta fazer: é preciso fazer por amor (II Coríntios 13). Abração meu irmão. Estamos juntos na caminhada.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

PARA RIR: Loja de Marido e Loja de Esposa

 


 






LOJA DE MARIDO

Foi inaugurada em New York , The Husband Store, uma nova e incrível loja, onde as damas vão escolher um marido.

Na entrada, as clientes recebem instruções de como a loja funciona:

Você pode visitar a loja
 APENAS UMA VEZ!

São seis andares e os atributos dos maridos à venda melhoram à medida que você sobe os andares.


Mas há uma restrição: pode comprar o marido de sua escolha em um andar ou subir mais um. MAS NÃO PODE DESCER, a não ser para sair da loja, diretamente para a rua.

Assim, uma dama foi até a loja para escolher um marido.

No primeiro andar, um cartaz na porta:

Andar 1 - Aqui todos os homens têm bons empregos.

Não se contentando, subiu mais um andar... 

No segundo andar, o cartaz dizia:
Andar 2 - Aqui os homens têm bons empregos e gostam de crianças.

No terceiro andar, o aviso dizia:
Andar 3 - Aqui os homens têm ótimos empregos, gostam de crianças e são todos bonitões.
“Uau!”, ela disse, mas foi tentada e subiu mais um andar.

No andar seguinte, o aviso:
Andar 4 - Aqui os homens têm ótimos empregos, gostam de crianças, são bonitos e gostam de ajudar nos trabalhos domésticos.
“Ai, meu Deus”, disse a mulher, mas continuou subindo.

No andar seguinte, o aviso:
Andar 5 - Aqui os homens têm ótimos empregos, gostam de crianças, são bonitões, gostam de ajudar nos trabalhos domésticos, e ainda são extremamente românticos.

Ela insistiu, subiu até o 6º andar e encontrou o seguinte aviso:

Andar 6 - Você é a visitante número 31.456.012 neste andar.
Não existem homens à venda aqui.


Este andar existe apenas para provar que as mulheres são impossíveis de agradar.

Obrigado por visitar a Loja de Maridos.


LOJA DE ESPOSAS

Posteriormente, abriu uma loja do outro lado da rua, a Loja de Esposas, também com seis andares e idêntico regulamento para os compradores masculinos.

No 
1º andar, mulheres que adoram fazer sexo.

No 
2º andar, mulheres que a doram fazer sexo e são muito bonitas.

Os andares 
3, 4, 5 e 6 nunca foram visitados.
(Fonte: http://emailcuriosos.blogspot.com/)

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

EU LI: Pais Maus






















O texto abaixo foi entregue pelo professor de Ética e Cidadania da escola Objetivo/Americana, Sr. Roberto Candelori, a todos os alunos da sala de aula, para que entregassem a seus pais.

A única condição solicitada pelo mesmo foi de que cada aluno ficasse ao lado dos pais até que terminassem a leitura.

Também foi publicado, recentemente, por ocasião da morte estúpida de Tarcila Gusmão e  Maria Eduarda Dourado, ambas de 16 anos, em Maracaípe – Porto de Galinhas. Depois de 13 dias desaparecidas, as mães revelaram desconhecer os proprietários da casa onde as filhas tinham ido curtir o fim de semana. A tragédia abalou a opinião pública e o crime permanece sem resposta.

PAIS MAUS
(Dr. Carlos Hecktheuer, Médico Psiquiatra)

     Um dia quando os meus filhos forem crescidos o suficiente para entender a lógica que motiva os pais e mães, eu hei de dizer-lhes: 

-           Eu amei-vos o suficiente para ter perguntado aonde vão, com quem vão e a que horas regressarão.

-                    Eu amei-vos o suficiente para não ter ficado em silêncio e fazer com que vocês soubessem que aquele novo amigo não era boa companhia.

-                    Eu amei-vos o suficiente para vos fazer pagar os rebuçados que tiraram do supermercado ou revistas do jornaleiro, e vos fazer dizer ao dono: “Nós tiramos isto ontem e queríamos pagar”.

-                    Eu amei-vos o suficiente para ter ficado em pé, junto de vocês, duas horas, enquanto limpavam o vosso quarto, tarefa que eu teria feito em 15 minutos.

-                    Eu amei-vos o suficiente para vos deixar ver além do amor que eu sentia por vocês, o desapontamento e também as lágrimas nos meus olhos.

-                    Eu amei-vos o suficiente para vos deixar assumir a responsabilidade das vossas ações, mesmo quando as penalidades eram tão duras que me partiam o coração.

-                    Mais do que tudo, eu amei-vos o suficiente para vos dizer NÃO,  quando eu sabia que vocês poderiam me odiar por isso (e em alguns momentos até odiaram).  

-                    Estas eram as mais difíceis batalhas de todas. Estou contente, venci... Porque no final vocês venceram também! E qualquer dia, quando os meus netos forem crescidos o suficiente para entender a lógica que motiva os pais e mães; quando eles lhes perguntarem se os seus pais eram maus, os meus filhos vão lhes dizer:

-                    “Sim, os nossos pais eram maus. Eram os piores do mundo... As outras crianças comiam doces no café e nós só tínhamos que comer cereais, ovos, torradas. As outras crianças bebiam refrigerantes e comiam batatas fritas e sorvetes ao almoço e nós tínhamos que comer arroz, feijão, carne, legumes e frutas. Nossos pais tinham que saber quem eram os nossos amigos e o que nós fazíamos com eles”.

-                    “Insistiam que lhes disséssemos com quem íamos sair, mesmo que demorássemos apenas uma hora ou menos. Nossos pais insistiam sempre conosco para que lhes disséssemos sempre a verdade e apenas a verdade”.

-                    “E quando éramos adolescentes, eles conseguiam até ler os nossos pensamentos. A nossa vida era mesmo chata”! 

-                    “Nossos pais não deixavam os nossos amigos tocarem a buzina para que saíssemos; tinham de subir, bater à porta, para que os nossos pais os conhecessem”.

-                    “Enquanto todos podiam voltar tarde da noite com 12 anos, tivemos que esperar pelo menos 16 para chegar um pouco mais tarde, e aqueles chatos levantavam para saber se a festa foi boa (só para verem como estávamos ao voltar)”

-                    “Por causa dos nossos pais, nós perdemos imensas experiências na adolescência”.

-           “Nenhum de nós esteve envolvido com drogas, em roubo, em atos de vandalismo, em violação de propriedade, nem fomos presos por nenhum crime”.

-                    “FOI TUDO POR CAUSA DOS NOSSOS PAIS!”

-                    “Agora que já somos adultos, honestos e educados, estamos a fazer o melhor para sermos “PAIS MAUS”, como eles foram”.

-          EU ACHO QUE  ESTE  É  UM  DOS MALES  DO MUNDO DE HOJE: NÃO  HÁ PAIS MAUS SUFICIENTES”!

PARA RIR: Criatividade

Não é improvisação: é arranjo técnico.



1. Ficou sem colher?
















2. Quebrou o cinto de segurança?
















3. Ficou sem abridor?
















4. Roubaram o som do carro?
















5. Não tem como ter um GPS de verdade?















6. Não tem geladeira?
















7. Não consegue ler no Caixa Eletrônico?



















8. Importou seu carro de um país errado?














9. Quebrou a cafeteira?
















10. Muito peso no escritório?


















11. Tem de alimentar o bebê e lavar roupas ao mesmo tempo?
















12. E o melhor: FALTOU FRALDA?















(Fonte: Internet, via minha amiga Dra. Sonia)

terça-feira, 13 de setembro de 2011

NO CAMINHO: AS MÁS CONVERSAÇÕES CORROMPEM OS BONS COSTUMES
















Somos chamados para ser sal da terra, mas, para isto, temos que ser sal mesmo. 

Sal de saleiro velho tem cara de sal, mas não salga nada. 

Jesus era acusado de ser “amigo de pecadores” — e Ele de fato era, é, e sempre será. 

Mas Ele era amigo de pecadores sem andar no conselho dos malucos e de ninguém; não se detinha no caminho dos pecadores que conversavam sobre como pecar e promover o pecado; e também não se assentava na roda dos escarnecedores, fossem eles fariseus, fossem eles publicanos.

O limite entre a amizade de pecadores e a conivência com o pecado é tênue, e, por isto, demanda discernimento.

Sou amigo de todos os pecadores desta vida; comigo todos se abrem sinceramente; sabem que não serão julgados, mas ouvidos e ajudados; porém, todos sabem que é até aí que vou, pois, de outro modo, jamais serei encontrado na roda da besteira e, menos ainda, nas sociais do engano e do ajuntamento frouxo que não tenha me chamado para pregar.

E por quê? Eu me contaminaria?

Ah, jamais! É apenas que não dá. Não dá ficar no meio do besteirol dos “crentes”, como dará para achar graça dos encantos da morte narrados como fofoca e vaidade? Sim, com apreciação ou silencio obsequioso?... E mais: com prazer? 

Jesus ia onde era convidado e não saía carregado por Pedro e João, dizendo enquanto babava de bêbado:
“Vocês viram? Zaqueu vai fazer uma grande oferta! Aleluia!”

Ele ia, mas algo acontecia. E se não acontecesse, nem mesmo o veriam se retirando.

Jesus não tinha humor para a perseverança do engano deliberado e insistente do homem. Ele apenas saía.

Jesus não sorria para a mentira.

Paulo disse que estar em certos lugares e ambientes, demanda que se tenha no ser um ser forte no Evangelho.

Em 1ª Coríntios 5 ele adverte que as más conversações corrompem os bons costumes. Sim, diz que um pouco de levedo corrompe toda a massa.

Paulo tinha certeza que a maioria dos que eram discípulos em Corinto ainda eram pessoas altamente influenciáveis.

E mais: 

Ele enuncia o fato que uma má companhia assumida como sociedade, amizade, relacionamento, etc. — pode ter um poder devastador na alteração do caminho desses cuja consciência ainda seja infantil e em formação no Evangelho.

Hoje vejo muitos “discípulos” que, cansados do tempo em que na “igreja” nada podiam, agora, uma vez sabendo que não é assim, porém, sem terem ainda uma boa e firme consciência fincada no Evangelho, entregam-se, em nome de que são sal da terra e luz do mundo, à tudo quanto Jesus jamais faria ou ficaria para consentir, se estivesse presente em qualquer que fosse o contexto onde estivesse.
Assim, gente sem o Evangelho, mas apenas ainda sem “religião”, vazios de conteúdo, de missão existencial e de gravidade no reino de Deus, posto que antes fossem apenas ratos de laboratório eclesiástico — agora, ainda em equivoco, exercem a liberdade contra si mesmos; como uns eternos bobos, antes por se proibiam de tudo, hoje porque não têm limites em mais nada.

De fato o que se vê são todas as sortes de misturas e alquimias espirituais em processo, com gente se corrompendo por inteiro, enquanto vão se contaminando espiritualmente, posto que associem seus espíritos às formas mais danosas e consentidas de conversações corruptoras.

Aqui mesmo na Internet, se alguém entre na maior parte dos chats que estão disponíveis, se vê como as más conversações, os maus teclados, corrompem muita gente.

Meu apelo a você hoje é um só:

Veja o que tem mudado seu espírito, sua atitude, seu humor, sua disposição interior, abrindo flancos em você, criando espaços vazios, provocando em você a sensação de que você ainda não é ninguém por não ter provado tudo quanto dizem a você estar disponível para experimentar.

Todos nós sabemos como certos relacionamentos estragam a alma de algumas pessoas. Ou como alguns casamentos enfeiam alguém para sempre. Ou como uma companhia que aparece de repente pode mudar alguém para o mal de modo estranhamente súbito. Ou ainda como passar a sentir necessidade de se integrar a um grupo pode fazer a pessoa se tornar outra.

Ora, nesse tempo de tanto buraco no ser, de tanto vazio existencial, de tanta carência emocional e afetiva, de tanto desespero por auto-afirmação — a alma humana, seja a pessoa “discípula” ou não, está aberta para tudo.

Hoje já não há mais nem tentação: é apenas uma questão de “rolar ou não rolar”. 

Aqui em Brasília, mesmo no ambiente dos crentes, hoje eu percebo que de cada 10 meninas entre 18 e 25 a 30 anos, pelo menos 6 ou 7 topam “ficar” com uma amiga de escola, igreja ou grupo, para beijos e atos libidinosos, não porque sejam gays, mas porque são “carentes”, e gostam do “carinho” das amigas.

É um “ministério de bondade libidinosa!”.

E tudo rola na base das más conversações que vão lentamente gerando uma disposição solidária para com o amigo ou amiga... Então vem a ajuda mútua.

Para salgar todos os ambientes da terra a pessoa tem que ser sal de Deus.

Nós, porém, não somos sal de nada, no máximo somos catchup de “igreja”.

É por isto que a moçada serve de molho para os cachorros quentes que estão engolindo... por todos os poros.

Sem Evangelho no coração o suposto encontro dos discípulos com o mundo apenas os torna piores.

Pense nisso e veja quem você é nessa história toda!

Nele, em Quem digo o que digo,

Caio Fábio