Siga por Email

Marcadores

Encontre no blog. É só digitar

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

ESCREVENDO: Correntes (II)

Nestes tempos de eleições acontece um verdadeiro frenesi no ambiente evangélico. Daí, outra pessoa muito querida me escreveu, consultando acerca de uma corrente (textos que circulam anos a fio pela internet) da qual constavam alguns projetos que estariam tramitando no Congresso em desfavor do, pretensiosamente, auto-intitulado povo de Deus. Segue minha resposta:


(...), minha querida,

Infelizmente o mundo gospel (entenda-se evangélico) tem se revelado, cada vez mais, um ambiente freqüentado e caracterizado por gente ingênua e manipulável, para não usar termos mais fortes e que, como tal, se presta à disseminação de mentiras, invencionices e fofocas oriundas de lideranças perversas, verdadeiros lobos travestidos de pastores de ovelhas, que querem, a qualquer custo, manter sob jugo a perceptivelmente alienada membrezia. Assim, sem qualquer responsabilidade, inventam notícias para criar todo esse clima de preocupação e deixam que as ovelhinhas divulguem. E elas divulgam. Milhões de pessoas recebem mensagens como essa. E, então, muitos lobos que se apresentam como pastores, vão eleger-se ou eleger seus irmãos (não estou falando de irmão de fé, mas irmão de sangue) como é o caso do RR Soares, do Silas Malafaia etc.


O objetivo, minha irmãzinha, é eleitoreiro. O objetivo dessas lideranças é manter as igrejas naquilo no que eles já a transformaram: em currais eleitorais.


Me deixa esclarecer uma coisa: muitos, dos mencionados projetos de lei nunca existiram, ou tratam de outras coisas.


Agora é preciso que se saiba que um deputado pode apresentar projetos de lei que versem sobre qualquer coisa. Basta ele ter uma idéia, qualquer idéia, e transformá-la num projeto.


Veja, a seguir, alguns exemplos exóticos (exemplos verdadeiros):


Projeto: Proíbe que bichos de estimação recebam nome de gente, com pena de multa.
Autor: Pastor Reinaldo (PTB-RS), Câmara dos Deputados.
Argumento: Evitar saias-justas em encontros entre pessoas e animais de mesmo nome. Mas o autor desistiu quando eleitores começaram a batizar seus cães de pastor Reinaldo.



Projeto: Institui o Dia Estadual do Cachorro, o melhor amigo do homem.
Autor: Antônio Pedregal (PT do B), Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro.
Argumento: O deputado, dono de 3 cães, citou como exemplo uma estátua em homenagem aos cães no Missouri, EUA. Mas desistiu porque queriam incluir os gatos na proposta.


Então, minha irmãzinha, deu na telha, o deputado cria o projeto. Mas para virar lei, é outra coisa. Porque, dentre as comissões que analisa o projeto, tem a Comissão de Constituição e Justiça que vai avaliar se o projeto ofende a Constituição e, se ofender, ele não vira lei. E se virar, o Poder Judiciário corrige.

Agora, cá entre nós, eu adoraria que alguns dos projetos que constam do e-mail virassem lei. Não me afetariam em nada, pelo contrário, me fariam um bem enorme como discípulo de Jesus.


Por exemplo:

Fica proibido fazer cultos ou evangelismo na rua. Seria ótimo se fosse aprovado. Porque, se virasse lei (infelizmente não vai virar), nós tiraríamos da rua um montão de gente alienada e neurótica que nunca conheceu o Evangelho e que teimam em pregar aquilo que Jesus não pregou. Por outro lado, quem é discípulo de Jesus, teria a oportunidade de continuar cultuando e pregando e pagando o preço como os primeiros discípulos que, apesar da proibição, nunca deixaram de falar daquilo que viram, ouviram e experimentaram como realidade neles.

Fica proibido fazer programas evangélicos na televisão por mais de uma hora por dia: Deixa eu lhe fazer uma pergunta Telma: você tem assistido algum programa evangélico na televisão? Qual deles está pregando o EVANGELHO? Você pode, conhecendo o EVANGELHO, dizer que é EVANGELHO o que está sendo pregado?


Pregar sobre dízimos e ofertas, havendo reclamações obreiros serão presos: Meu Deus! Isso tem de virar lei! Aí vai acabar a exploração do povo! Pobre povo! Explorado por raposas como RR Soares, Silas Malafaia, Waldemiro Santiago etc.


Sabe: repressão, perseguição, ameaças, espancamento, prisão e morte não preocupam a quem ama a Jesus, a quem considera glória padecer pelo nome de Jesus. E nunca trouxe prejuízo à pregação do Evangelho.


Mas fique tranqüila! As mentiras que constam do e-mail que você me enviou não vão virar leis. Que pena!


Por derradeiro, um conselho: como estamos às vésperas de uma eleição, escolha seus candidatos por conhecê-los, por suas idéias, propostas etc.


Mas não vote num candidato só porque ele é evangélico. Porque, se o fizer, você estará fazendo o jogo dos lobos que idealizaram o e-mail mentiroso.


No amor de Jesus,


Paulo.

ESCREVENDO: Correntes (I)

Recebi de uma amiga uma dessas correntes de internet com uma recomendação que eu a reenviasse para o maior número de pessoas. Tratava-se de um texto atribuído a Arnaldo Jabor no qual ele retratava com acidez peculiar aspectos negativos e vergonhosos relacionados ao atual governo. Como não nasci ontem, logo percebi que, não necessariamente o texto, mas a corrente não passava de uma artimanha eleitoreira daqueles que do texto se apoderaram. Então eu encaminhei a minha amiga a seguinte resposta:
















Minha querida amiga,

Gosto muito do Arnaldo Jabor e me solidarizo com você no seu afã de transformar o seu texto na maior corrente que a internet já viu. Uau!

E para tranqüilizar seu coração, gostaria de dizer para você que mesmo antes de começar a campanha eleitoral eu já havia me decidido a votar na Marina.

Não porque a Marina seja evangélica, porque nós sabemos que ser evangélico, hoje, não é garantia de idoneidade. Voto na Marina por acreditar nela, por gostar dela e por ela representar a esperança de um governo diferenciado.

Agora, cá entre nós, não podemos ser ingênuos.

Se com a sua corrente você pretende trocar o PT pelo PSDB, ou Dilma pelo Serra, você estará tão somente demonstrando ter uma memória curta.

Infelizmente amiga, em matéria de política, em regra, o nivelamento é por baixo e o povo que vota na Dilma é acusado de não saber votar. Mas sabe votar quem vota no Serra? Quem vota no Serra sabe quem ele representa?

Lamentavelmente, o cenário político que está desenhado não cria a perspectiva de se escolher entre o bem e o mal; entre o íntegro e o corrupto etc. Na verdade, se a Marina não subir nas pesquisas (e eu estou insistindo no nome da Marina só para deixar claro que não estou fazendo nenhuma defesa do PT, mas apenas uma análise dos fatos e do momento político que vivemos), e permanecendo na dianteira Dilma e Serra, qualquer um dos dois terá um governo marcado pela mentira, pela desfaçatez e pela corrupção. A questão, então, é: qual dos dois, apesar disso, fará mais pelo país, entenda-se aí, povo?

Sob essa ótica, o governo lula deu um banho no governo FHC.

A questão não é: qual dos dois roubará para eu votar no que não vai roubar. Ambos terão suas aves de rapina. Quem viver verá. Mas o povo tem de optar e, infelizmente, vai optar por um dos dois. Aí, cada lado vai dizer que o seu candidato é melhor, que rouba menos e que quem votou no outro não sabe votar. Coisas da política.

Concluindo, e apenas para ilustrar o que digo, segue uma relação disponibilizada na internet (*) (igual ao texto do Jabor), dos escândalos que marcaram os oito anos do governo do PSDB encabeçado por FHC, muitos deles ainda fresquinhos na minha cabeça, eis que sempre procuro estar antenado.

Acho que já escrevi demais.

Um abração pra você.

Amo a Jesus e amo aos meus irmãos. Disso não tenha a menor dúvida.


Paulo.

(*) Não vou reproduzir aqui, por falta de espaço, os escândalos a que aduzo. Mas quem quiser refrescar a memória procure na internet sob o título “escândalos do governo FHC”.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

EU LI: "Não é comigo"


"Primeiro vieram buscar os judeus e eu não me incomodei porque não era judeu.
Depois levaram os comunistas e eu também não me importei, pois não era comunista.
Levaram os liberais e também encolhi os ombros. Nunca fui liberal.
Em seguida os católicos, mas eu era protestante.
Quando me vieram buscar já não havia ninguém para me defender…" Martin Niemöller